Quando é necessário extrair um dente do siso?

Crédito: Getty Images

Por Roberto Terini*

Os dentes do siso ou do “juízo” são os terceiros molares, os últimos elementos da arcada dentária (geralmente nascem no início da fase adulta), e podem ser extraídos depois que nasceram ou antes, quando estiverem inclusos. Há pessoas que nem possuem este dente, que está entrando num processo de extinção pelo tipo de alimentação atual. Mas o dente do siso está sempre destinado à sua retirada? É certo que a função mastigatória desse dente está prejudicada pela sua posição ou condição, mas estando em oclusão normal, não comprometendo a arcada dentária e sendo possível higienizá-lo, pode ser mantido.

Deverá ser retirado quando não nascer corretamente ou casos de:

  • Falta de acesso ao fio dental e à escova, o que impede a higienização.

  • Alterações na fala e na mordida.

  • Dentes inclusos ou semi-inclusos, que não nascem pela sua posição ou por falta de espaço. Quando o dente está semi-incluso, fica uma porção da gengiva sobre o dente, dando espaço para o acúmulo de resíduos alimentares e inflamação local.

  • Pressão nos dentes vizinhos, especialmente no segundo molar, formando um “efeito dominó” que interfere no alinhamento e estabilidade desses dentes.

  • Sisos com cárie ou doença periodontal, de difícil acesso para o tratamento.

  • Dores de ouvido, mandíbula e dificuldade de abrir a boca.

Como é feita a extração?

Para se realizar a extração do siso, aplica-se anestesia local. Tão logo a área esteja adormecida, faz-se uma incisão na gengiva ao redor do dente e, se estiver incluso, pode ser necessária remoção do osso que recobre o dente. Em seguida, remove-se os restos de osso e o dente, que pode ser retirado inteiro ou em pedaços, dependendo da sua posição. Limpa-se a região e procede-se a sutura.

Antes do procedimento, que pode ser feito em minutos ou pode se estender, dependendo da situação local, é recomendada uma refeição leve e tomar os remédios indicados pelo dentista.

Após a cirurgia, siga as recomendações do profissional, tomando as medicações recomendadas. Deve-se evitar ingerir alimentos quentes e duros nos primeiros três dias após a cirurgia. Use dieta líquida ou pastosa, com alimentos frios de preferência (sucos, vitaminas, sorvete etc.). Compressas geladas nas primeiras horas aliviam o inchaço. Caso haja hemorragia, morda uma gaze limpa até estancar o sangramento. Caso persista, comunique seu dentista.

Evite fazer bochechos nas primeiras vinte e quatro horas e movimentos de sucção. Não faça exercícios físicos nas primeiras 48 horas, não fume e não ingira bebida alcoólica.

Uma semana após a cirurgia, retorne ao consultório para retirar os pontos e reavaliar o local.

Avaliação do cirurgião dentista é fundamental

A necessidade ou não da extração será avaliada pelo cirurgião dentista com exames locais e de imagem. Muitas vezes, mesmo sem sintomatologia, o dente do siso pode gerar consequências futuras. Quando fica retido ou mesmo erupcionado, provocando dores e infecções recorrentes, ou mesmo a pericoronarite, que é uma inflamação que recobre o dente, deve ser extraído. Há os casos de o ortodontista pedir a extração do siso pela falta de espaço para movimentar os outros dentes.

Caso esteja indicada a extração e ela for adiada, podemos ter algumas complicações, como reabsorção das raízes dos dentes vizinhos, cáries, problemas periodontais, fraturas ósseas, dificuldade de erupção de outros dentes, infecções graves, cistos, tumores.

Assim, este dente já “sem juízo” e que te incomoda tanto deve levá-lo a procura do profissional que te dará a segurança e confiança necessárias para o procedimento.


* Roberto Andrade Terini é dentista de adultos e crianças (CROSP 46020)