Em busca do kit bucal perfeito: cuidar dos dentes no trabalho é fundamental

Os cinco minutos que você passa cuidando dos dentes depois do almoço pode, a longo prazo, poupar dores e, principalmente, dinheiro.

Montar uma nécessaire para levar ao trabalho parece simples. Mas é sempre bom ter aquela forcinha dos especialistas, quando o assunto passa pelos itens de higiene bucal indispensáveis para depois daquele almoço com o chefe – seguido de uma longa reunião.

Parece bobagem, mas acertar nos produtos que você carrega dentro da bolsa pode economizar muito do seu tempo – e ainda dores de cabeça futuras. Muita gente se esquece que, após 30 minutos das refeições, é fundamental tirar uns minutinhos para cuidar dos dentes, mesmo que o dia esteja infernal ou corrido. Esse cuidado pode poupar dores e, principalmente, dinheiro, quando transformado num hábito.

Cáries, tártaro e gengivite são as doenças dentárias mais comuns entre as pessoas que trabalham fora. O motivo, segundo a endontista Adriana Canassa, se deve ao fato de que muita gente acha que estará livre dos males apenas munido de uma escova de dentes na bolsa. “Somente uma escovação longa não nos protege completamente. Inclusive porque, apesar de longa, ela pode ser feita de forma incorreta, o que pode machucar dentes, gengiva e, pior, não limpar a boca completamente”, explica.

De acordo com a Dra. Adriana, é necessária uma espécie de faxina completa, após o almoço de negócios. Isso porque ele geralmente vem regado de sobremesas e aquele tradicional cafezinho. “Todo mundo padece da falta de tempo, eu sei, mas esse descuido aparentemente simples pode ser devastador em médio prazo”.

As dicas da dentista são simples, anote:

  • Escovação vai e vem: lentamente, dentes superiores, inferiores e gengiva precisam ser totalmente limpos. Sem pressa, no seu ritmo e com bastante atenção aos dentes da frente e aqueles de mais difícil acesso – só limpar a alface presa para parecer higiênico não funciona com eficiência. Para isso, ela recomenda escovas de cerdas retas e macias, com a cabeça em tamanho médio, para não prejudicar a limpeza dos dentes de trás. Assim, você atingirá toda a superfície e sem erros – não se esqueça daquela escovada estratégica e cuidadosa na língua.
  • Cremes dentais com flúor são sempre mais indicados – e nem precisa exagerar na quantidade. Espuma não significa mais higiene ou cheiro melhor na boca, segundo a especialista.
  • Não tem jeito: sua escova pode ser a melhor do mercado, mas a limpeza nunca estará completa sem a presença do fio dental. Alguns espaços mínimos são impossíveis de serem alcançados somente com a escova. Sempre mantenha estes dois aliados da boca juntos na bolsa, para não esquecer.
  • Para dar aquela finalizada especial, enxaguantes bucais são sempre bem-vindos, justamente por conter agentes antibacterianos que muitos cremes dentais não têm. E lembre-se: ele não é capaz de substituir a escovação. Então, não tente enganar a si mesmo com aquele bochecho demorado: ele é complemento e não solução.

A endodontista lembra que passamos a maior parte do tempo na rua, quando trabalhamos fora – uma média de 10 horas por dia, se contarmos o horário comercial mais os traslados. E isso é tempo demais para não se praticar a higiene bucal pelo menos uma vez. “Aquele cafezinho da reunião pode conter muito mais perigos do que as pessoas imaginam. A bebida pode manchar os dentes e ainda traz uma quantidade elevada de açúcar. É imprescindível não descuidar”, alerta.