Efeitos da quimioterapia na saúde bucal

Getty Images

Por Roberto Terini*

Apesar de muito importante para o tratamento do câncer, a quimioterapia pode provocar alguns sintomas que, se não tratados, prejudicam a saúde da boca e o próprio tratamento do câncer.

A terapia contra o câncer destrói as células tumorais, porém não distingue as células cancerígenas das normais e acaba afetando alguns tecidos, principalmente no cabelo e na boca.

Cada pessoa reage de maneira diferente à quimioterapia, mas alguns efeitos colaterais são mais comuns, como a xerostomia (boca seca), perda do paladar, candidíase (“sapinho”), cáries de radiação, disfagia (dificuldade de engolir), dificuldade de abrir a boca, mucosite (feridas), aftas. Estes sintomas podem ser temporários ou permanentes e dependem do local e da dose da radiação.

Para controlar esses problemas, deve-se ter uma rigorosa higiene bucal e o paciente deve ter cuidados odontológicos antes, durante e depois da terapia contra o câncer.

Quando o paciente for submetido à quimioterapia, deve procurar o dentista antes, para tratamentos de cárie, doenças da gengiva e focos de infecção, pois a quimioterapia debilita o sistema imunológico e doenças crônicas podem agudizar.

Outras recomendações são:

  • Higiene bucal completa com escova macia, fio dental e enxaguante bucal sem álcool após as refeições.

  • Remover todas as bordas cortantes de restaurações, próteses ou qualquer fator que gere um trauma nos tecidos moles da boca.

  • Se possível, evitar o uso de próteses removíveis e aparelhos durante a quimioterapia.

  • Evitar alimentos ácidos, bebida alcoólica e fumar.

  • Não coma alimentos muito duros, prefira purê, sopas, mingau, gelatina, pudim, sorvete, além de ingerir muito líquido.

  • Consultar o dentista periodicamente para prevenção e tratamento odontológico.

  • Tomar água constantemente para evitar ressecamento da boca. Chicletes sem açúcar e saliva artificial podem ajudar a manter a boca úmida.

  • Cirurgias e extrações dentárias devem ser evitadas durante a terapia.

  • É importante a interação entre o dentista e a equipe médica para que o paciente em quimioterapia se sinta confortável e tenha condições plenas de saúde, psicológicas e sociais.

* Roberto Andrade Terini é dentista de adultos e crianças (CROSP 46020)