Como escolher a melhor escova de dentes

(Foto: Pixabay)

Ao escolher a escova de dentes, devemos ter em mente que ela prevenirá muitos problemas bucais, não deverá ser compartilhada por outras pessoas e ela só surtirá efeito se você souber manipulá-la. Há muitas marcas encontradas nas farmácias e supermercados e a dúvida persiste ao vermos cores, formas, tamanhos e preços diferentes.

Sabemos que a escova dental tem papel fundamental na higiene bucal, juntamente com a pasta, o fio dental e os enxaguantes bucais. Todos esses recursos atuando em conjunto, com orientação e acompanhamento do seu dentista, reforçados por uma menor ingestão de açúcar, certamente evitarão maiores problemas na gengiva e cáries nos dentes.

Os dentistas recomendam escovas com cerdas macias ou médias, que limpam as superfícies dos dentes e massageiam as gengivas, desde que não se faça uma força excessiva. Sinais como sangramentos e recessões gengivais, quando parte da raiz do dente fica exposta ao meio bucal, podem ser consequência do uso de uma escova de cerdas duras ou movimentos muito intensos. Essas cerdas também devem ser uniformes e arredondadas. Os cabos também têm vários tamanhos e formas, devendo a pessoa usar aquele com o qual melhor se adapte. Cabo longo ou curto, curvaturas, cerdas de tamanhos diferentes são alternativas para essa escolha.

Em geral, escovas com cabeças pequenas são mais recomendadas por atingirem melhor os dentes posteriores. O cabo deve ser leve e ter boa empunhadura para não deslizar durante os movimentos de escovação. Algumas escovas vêm com um limpador de língua na superfície oposta à das cerdas, o que facilita a remoção da saburra lingual.

Como alternativa, existem as escovas elétricas, que através de movimentos horizontais e rotatórios conseguem reduzir os índices de placa bacteriana e gengivite. São recomendadas também para idosos, deficientes ou pessoas com mobilidade reduzida.

As escovas dentais devem ser trocadas quando mostram sinais de desgaste, com cerdas desalinhadas. No máximo, a cada três meses, para evitar grande acúmulo de resíduos. Não escolha simplesmente a mais barata, leve em conta essas características descritas, pois serão 4 ou 5 escovas por ano e se você evitar o desenvolvimento de uma cárie, já estarão pagas.

Ainda existem as escovas interdentais, para aparelhos ortodônticos e próteses fixas, as escovas ortodônticas e escovas mais duras para limpeza de dentaduras ou pontes móveis.

Mesmo você tendo a escova mais moderna e bonita, os movimentos de escovação são fundamentais. Escovar os dentes por 30 segundos geralmente não resolve seu problema. Escovar uma vez por dia também não. A recomendação básica é escovar sempre após as refeições principais (no mínimo três vezes ao dia), olhar no espelho o que está escovando e sentir que todos os dentes e a língua foram limpos. Se você diz ao seu dentista que escova toda hora e mesmo assim o dente continua sujo, alguma coisa está errada. Escolha a escova que melhor te agrade e seja fácil de manipular. Pesquise sobre a melhor maneira de higienizar sua boca e, principalmente, peça orientação sobre a melhor forma de escovação com seu dentista.

* Roberto Andrade Terini é dentista de adultos e crianças (CROSP 46020)